Nesta sexta-feira haverá a sétima rodada de negociação da Contec com a Fenaban


CAMPANHA SALARIAL

Mesa de negociação da Contec com Fenaban no dia 07/08

A Comissão Executiva Bancária Nacional de Negociação – CEBNN – da Contec (Confederação Nacional dos Bancários) e a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) realizam nesta sexta-feira (17), a partir das 14 horas, em São Paulo, a sétima rodada de negociação desta campanha salarial. Logo após a reunião da Fenaban, haverá rodadas de negociação do comando nacional dos bancários com as direções do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

O Paraná estará representado nessas reuniões pelo presidente da Federação dos Bancários do Paraná e do Sindicato de Cascavel e Região, Gladir Basso; Carlos Roberto Rodrigues, vice-presidente do Seeb de Maringá, e Gilberto Lopez Leite, presidente do Seeb de Ponta Grossa.

De acordo com Gladir, nesta nova reunião estarão novamente na mesa de negociação as cláusulas econômicas, já que na sexta rodada, realizada dia 7, a contraproposta da Fenaban foi rejeitada na mesa pelo comando nacional, posição essa ratificada pelas assembleias de bancários por todo País.

A proposta patronal prevê apenas a reposição da inflação medida pelo INPC dos últimos doze meses, sendo que a categoria reivindica mais 5% de aumento real.

“Vamos insistir nesse ganho real na próxima rodada de negociação. Sabemos que, mesmo diante das sucessivas crises econômicas enfrentadas pelo País, que atualmente provoca mais de 12 milhões de desempregos, os bancos continuam obtendo lucros recordes e promovendo demissões. Por isso, é inaceitável essa proposta patronal, que não assegura os empregos dos bancários, não oferece nada de aumento real e não dá resposta a outras reivindicações”, avaliou Gladir Basso.

Ele observa ainda que a contraproposta apresentada pela Fenaban dia 7, também não contempla reivindicações importantes, como a não substituição de bancários por terceirizados, a não adoção das novas formas de contratação previstas na reforma trabalhista e o combate às metas abusivas que adoecem grande número de bancários.


COMPARTILHAR