Causas ligadas ao trabalho matam quase 2 milhões de pessoas por ano


- foto Paulinho Costa feebpr -
AVCs e doenças cardíacas associadas ao excesso de horas trabalhadas subiram, respectivamente, 41% e 19%, entre 2000 e 2016. No total, ambas causaram 750 mil óbitos em 2016. Um número bem acima da média de mortes relacionadas ao trabalho ocorre no Sudeste Asiático e no Pacífico Ocidental  

De acordo com um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado nesta sexta (16), doenças e lesões relacionadas ao trabalho foram responsáveis por 1,9 milhão de mortes em 2016 no mundo.

A maioria dos óbitos relacionados ao trabalho foram decorrentes de doenças respiratórias e cardiovasculares e o principal fator de risco, entre 19 listados no relatório, é a exposição a longas jornadas de trabalho.

Segundo o documento, óbitos por doença do coração ou por acidentes vasculares cerebrais (AVCs) associados ao excesso de horas trabalhadas subiram, respectivamente, 41% e 19%, entre 2000 e 2016. No total, os AVCs causaram 400 mil mortes e as doenças cardíacas, 350 mil.
 
“É chocante ver tantas pessoas literalmente sendo mortas por seus empregos”, disse o diretor-geral da OMS Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Nosso relatório é um alerta para que países e empresas melhorem e protejam a saúde e a segurança dos trabalhadores, honrando seus compromissos de fornecer cobertura universal dos serviços de saúde e segurança ocupacional.”

Mortes evitáveis e trabalho
Um número bem acima da média de mortes relacionadas ao trabalho ocorre no Sudeste Asiático e no Pacífico Ocidental, atingindo especialmente homens e pessoas com mais de 54 anos.
 
O relatório observa que o total de doenças relacionada ao trabalho provavelmente é substancialmente maior, uma vez que a perda de saúde decorrente de vários outros fatores de risco ocupacionais ainda deve ser quantificada no futuro. De acordo com o estudo, os efeitos da pandemia de covid-19 devem dar outra dimensão ao cenário em estimativas futuras.

Além das longas jornadas, o levantamento também levou em conta outros fatores como a exposição no local de trabalho à poluição do ar, elementos de risco ergonômicos e ruído.

“Essas quase 2 milhões de mortes prematuras são evitáveis. É necessário agir com base nas pesquisas disponíveis para barrar o aumento das ameaças à saúde relacionadas ao trabalho”, disse a diretora do Departamento de Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Saúde da OMS Maria Neira. “Dentro do espírito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, saúde e trabalho devem trabalhar juntos, de mãos dadas, para garantir que este grande fardo de doenças seja eliminado.”

Para o diretor-geral da OIT, Guy Ryder, os fatores de risco podem ser eliminados com mudanças nos padrões de trabalho. Ele pede a governos e a empregadores que tomem medidas para reduzir a exposição a esses riscos. (Fonte: RBA)

Com informações de Agência ONU e OIT

Notícias Feeb Pr


COMPARTILHAR