Encontro dos Bancários do Sul define reivindicações da campanha salarial 2020


Videoconferência do Encontro do Sul, que reuniu 106 dirigentes bancários do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais
Dentro do calendário desta campanha salarial 2020/2022 definido pela Contec (Confederação Nacional dos Bancários), o Encontro de Dirigentes Sindicais Bancários do Sul foi realizado ontem (9), por videoconferência, das 9 às 13 horas. O Paraná participou com cerca de 30 dirigentes, enquanto os três estados do Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) e Minas Gerais estiveram representados por 106 participantes.

Os trabalhos do Encontro do Sul foram coordenados pelo presidente da Federação do Paraná, Gladir Basso, pelo coordenador da Delegacia da Contec no Rio Grande do Sul, Luiz Carlos Santos Barbosa, e pelo presidente da Federação de Santa Catarina, Armando Machado Filho, com apoio no Banco do Brasil e na Caixa, dos dirigentes Carlos Roberto Rodrigues e Luís Francisco Cardoso. Destaca-se também a presença do presidente da Federação de Minas Gerais, Alfredo Brandão Horsth.

Durante o encontro, os dirigentes bancários do Sul definiram propostas da campanha salarial 2020/2022, que serão apresentadas e defendidas no Encontro Nacional, que ocorrerá dia 21 deste mês, também por videoconferência. As principais propostas são:

- Reajuste salarial com base no INPC dos últimos 12 meses (setembro/2019 a agosto/2020;
- Aumento real de 5% para os salários e de 10% para verbas como tíquete-alimentação e cesta-alimentação;
- Manutenção dos empregos: garantir junto aos bancos que não haja demissões;
- Sobre o trabalho home office durante a pandemia do novo coronavírus, realizar pesquisa  junto aos bancários sobre esse tema, para melhor compreensão das necessidades da categoria na mesa de negociação;
- Os bancos continuam pressionando os bancários no atendimento de metas extremamente abusivas e praticando o assédio moral, comprometendo a saúde dos bancários. Sobre esse tema, o movimento sindical vai cobrar nas mesas de negociações que os bancos cessem essas metas abusivas e o assédio moral;
- Defesa dos bancos públicos; desenvolver campanha junto à população e ao Congresso Nacional, no sentido de preservar os bancos públicos, a sua função social e o seu papel no desenvolvimento econômico;
- Manutenção de todas as cláusulas dos acordos do Banco do Brasil e da Caixa, e da convenção coletiva da Fenaban (bancos privados).


“Uma das preocupações neste momento é o fechamento de agências e postos de trabalho no Brasil. Em doze meses, foram fechados 11.582 postos de trabalho de bancários, e foram fechadas 943 agências, considerando os cinco maiores bancos (BB, Caixa, Bradesco, Itaú e Santander)”, afirmou Gladir Basso, presidente do Sindicato dos Bancários de Cascavel e Região e da Federação da classe do Paraná. Segundo ele, somente o Santander demitiu 500 funcionários em um mês.

ENTREGA DAS MINUTAS
Conforme ficou definido pela Contec, o calendário desta campanha salarial prevê que no dia 23 deste mês será feita a entrega da pauta de reivindicações para a Fenaban (bancos privados) e dia 24, para Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. (Foto: Divulgação)


COMPARTILHAR