BB apresenta a Gestão de Desempenho Profissional e o Programa de Desempenho Gratificado



Na última terça-feira (28), a gerente de soluções do Banco do Brasil, Inês Maria Saldanha de Matos Neves Lima, fez apresentação, por videoconferência, das novas regras para a GDP (Gestão de Desempenho Profissional) e do PDG (Programa de Desempenho Gratificado) para aproximadamente 40 dirigentes sindicais, entre os quais, representando os sindicatos vinculados à Feeb/PR, Carlos Kravicz (Seeb Ponta Grossa), Antonio Ribas Maciel Jr. (Seeb Cascavel) e João Haroldo (Feeb/PR).

A GDP foi ampliada para as unidades estratégicas, táticas e de apoio, a serem aplicadas por grupamento de, no mínimo, 5 funcionários, sob a mesma referência organizacional ou GFM, mesma alçada de nomeações e está disponível para consulta na plataforma do BB.

Os pesos das dimensões da GDP serão por metas (65%) e competências (35%) e os pesos das fontes de avaliação serão pelo superior (45%), subordinados (30%) e pelos pares (25%). A autoavaliação não terá peso para a GDP. As metas serão da unidade (20% – ATB ou conexão), corporativa (20% – alinhamento ao planejamento da unidade ou direcionamento aprovado no comitê da área) e acordada (60% – entregas individuais acordadas entre o funcionário e o gestor, vinculadas aos objetivos estratégicos). O resultado determina as dimensões das metas, ou seja, maior individualização do resultado por metas (máximo de 6 e mínimo de 3), sendo obrigatório um indicador em meta acordada.

A sistemática define também como construir as metas e aponta os treinamentos indicados, determinando que ao final de cada ciclo os gestores reunidos analisarão as avaliações de desempenho e realizarão os ajustes nas classificações.

Ao falar do PDG, a apresentadora registrou que o Banco investirá R$ 452 milhões por ano no programa, que passará a alcançar 93 mil funcionários e que visa motivar a superação dos objetivos, ampliando o percentual de contemplados para 40% dos participantes, com premiação semestral de 5% – 1,5 VR (Valor de Referência), 10% – 1 VR e 25% – 0,4 VR, destacando que a premiação poderá chegar a 3VRs por ano, para os novos participantes.

Não poderão participar do programa os colegas que se encontrem respondendo a processos administrativos, os egressos dos bancos incorporados que não aderiram ao regulamento do banco, bem como os falecidos, demitidos por justa causa ou a pedido.

Além dos corporativos e de nível gerencial, são pré-requisitos individuais a atuação em caráter efetivo, pelo menos, por 90 dias no semestre e alcançar, no mínimo, a nota média de 5,10 no placar final da dimensão metas.

O pagamento da premiação se dará 50% em AÇÕES do BB e 50% no Cartão Alelo ou no Carteira BB (https://www.carteirabb.com.br/).

O movimento sindical analisará os eventuais impactos positivos e negativos que as novas regras poderão acarretar aos empregados do Banco do Brasil. (Fonte: Com a Contec)


COMPARTILHAR